Notícias

Turnaround e a morte
14/01/2013 20:02:06

Turnaround (virada) é um termo associado ao mundo dos negócios e significa mudar radicalmente a vida de uma companhia. Como executivo  e como consultor, participei de algumas viradas e todas são muito excitantes. Você chega na empresa, implanta o seu sistema de gestão, a sua cultura e seu sistema de TI. Parece simples, mas não é! Para fazer o turnaround corretamente, você precisa ter um sistema de gestão, uma cultura forte e um excelente sistema de TI. E mais: estes três itens precisam estar harmonizados, precisam ter sinergia e pessoas com cara, postura e atitudes de dono para implantá-los rapidamente. Tudo precisa estar funcionando rapidamente. O mercado não espera por ninguém e não perdoa a lentidão. Quando você compra uma empresa, você precisa fazer um turnaround, você precisa de marcos, de referências, do dia da virada. Na sua própria empresa, você precisa “apenas” desenvolvê-la, para que você cresça, enriqueça e compre os outros que foram incompetentes. O dinheiro periodicamente muda de mãos justamente por que alguns são rápidos e outros são lentos, alguns fazem viradas rapidamente e outros procuram desculpas, alguns são humildes e aprendem e outros são arrogantes e se obsoletam.

Em uma reunião de 45 minutos com um presidente “obsoleto” contei quantas vezes ele falou a palavra “eu”: 11 vezes. Uma saraivada de “eus”: eu fiz isto, eu fiz aquilo, eu sou assim, eu trabalho desta forma, eu, eu, eu. Ouvir e aprender, nem pensar. Por isto, Steve Jobs estava correto quando afirmou, em seu famoso discurso para uma turma de formandos de Stanford: “Ninguém jamais escapou dela (da morte). And that is as it should be, because Death is very likely the single best invention of Life. E isso é como deveria ser, porque a morte é muito provavelmente a melhor invenção da Vida. It is Life's change agent. É o agente de mudança da Vida. It clears out the old to make way for the new. Ela limpa o velho para abrir caminho para o novo.

A morte, no mundo dos negócios, é a falência e a demissão. O turnaround, às vezes, é o processo que apressa a virada. Ninguém gosta de falar sobre morte e sobre viradas, mas que eles, às vezes, são indispensáveis para limpar o velho e abrir a janela para que o novo refresque o ambiente, disto não há dúvidas.
O melhor dos mundos: você, como gestor, transformar o turnaround em um processo que esteja continuamente limpando a empresa, a ponto de você nunca precisar de um turnaround!  Treinamento, reciclagem, auditorias internas, registro de não conformidades, tratamento de não conformidades, benchmarking e reuniões gerenciais de análise crítica dos resultados são alguns dos métodos que você deve usar para manter-se permanentemente jovem.

Sempre oriento a desenvolverem e promoverem gente da casa para as posições mais importantes da empresa, mas a condição é está: turnaround permanente.

Toda empresa precisa de um líder que encarne os seus valores, que durma pouco, que ame profundamente a empresa e o que ele faz, que mande torpedos e e-mails no domingo à noite ou nas madrugadas para empurrar toda a galera para frente. Este líder não precisa ser educadíssimo ou usar palavras politicamente corretas. Não precisa puxar o saco de ninguém. Ele precisa apenas ser apaixonado e apaixonar as pessoas pela organização que dirige. Ele não vai exigir dos outros mais do que exige dele próprio. Se este perfil que descrevi assusta você, cuidado!

Últimas notícias